O portal online Jota realizou matéria sobre a retirada do Instituto de Previdência Municipal de Holambra do processo de falência da rede de operadoras de turismo Marsans.

Renato de Mello Almada, um dos sócios do escritório Chiarottino e Nicoletti Advogados, escritório fundado por Leandro Augusto Ramozzi Chiarottino, que é também o advogado que defende o instituto, explicou que a decisão de primeiro grau faria com que o IPMH, além de arcar com o prejuízo de um investimento realizado pela gestão anterior, ainda tivesse que responder na Justiça pelas mais de 100 ações trabalhistas ajuizadas por ex-funcionários do Marsans, fato que não tem relação alguma com o IPMH, que era apenas um dos fundos de previdência de funcionários públicos de Estados e municípios convencido a investir e que teve um prejuízo de mais de 1 milhão, devido à gestão anterior que não investigou a saúde financeira do ativo e o histórico das pessoas envolvidas.

VER MATÉRIA NA ÍNTEGRA